Áudio 55 – Mistah Isaac: uma planta no deserto

“Quando encontras a tua arte, tudo faz sentido! Até as portas fechadas são inspiração!”

Mistah Isaac de nacionalidade angolana, músico, produtor, beatboxer, poeta, entertainer, artista. O artista define o afrolisboeta como sendo uma Welwitschia, uma planta que só existe no deserto do Namibe, em Angola, ou seja especial. Welwitschia Sessions é o nome do seu mais recente projeto.

Nós Nos Livros: “Predadores” de Pepetela

Eu acho importante ler este livro porque…

Por Cristina Carlos, angolana 

Eu gosto do Pepetela, nasceu lá, viveu lá e foi por Angola que lutou quando podia ter escolhido fugir. Fala português de Angola com sotaque da banda e escreve Angola, oferecendo a quem estiver atento uma versão da história vivida desde antes da  independência aos nossos tempos.

“Predador” 

Animal que se alimenta atacando outros seres vivos para os matar e se alimentar da sua substância.

predadoresO livro começa com o artista a matar a sua amante porque esta tem um amante. Matou-a a tiro, retirou as luvas e deixou um bilhete “Ninguém trai a UNITA sem deixar a vida!” Artista porque a personagem principal cria o seu nome, inventa uma origem que muda com a história política do país e apresenta um jogo de cintura que faz lembrar a Shakira.

O livro fala do novo-rico sem cultura, da primeira esposa, dos seus filhos que se perdem em dinheiro, do idealista, das catorzinhas, das parcerias com outros países, da política, dos esquemas, de peixe pequeno que vira tubarão, e do jacaré que dorme e vira mala.

O livro atravessa gerações desde a guerra e acaba em 2004, altura em que Angola estava na moda; em que muitos dos que fugiram voltavam e procuravam os seus antepassados, reescreviam as suas histórias onde inscreviam ligações com a Angola. “Achavam que o país era deles, se babavam todos com as riquezas reais ou supostas de Angola, a terra do futuro…”

Neste livro, Pepetela continua a escrever a história recente de Angola, revista em personagens, que quase conseguimos reconhecer na nova novela ou nas várias “reportagens” sobre a nova Angola. E, no final do livro, nós acabamos por nos questionar…? Afinal quem são os predadores?

Áudio 54 – Por Uma Orientação Sexual Livre – Entre África E Europa

Hoje vamos falar sobre orientação sexual em África e na Europa, através da experiência de Aramis Évora, um jovem cabo-verdiano, que luta pelos direitos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero). Aramis veio de Cabo Verde com o propósito de organizar, aqui em Lisboa, um grupo de trabalho para fundar uma associação de defesa dos direitos LGBT para africanos e mais, como o próprio nome da associação indica: EU Mais África! Até agora, o jovem cabo-verdiano tem o apoio da Fundación Triángulo (Canárias) e do projeto IN Mouraria Migrantes e sabe que não está sozinho na sua missão.

Áudio 53 – Afrodiscursos sobre Lisboa e mais…

Esta é a última semana, este é o último programa do primeiro ano da Rádio AfroLis. Desde 17 de Abril de 2014, todas as quintas-feiras, publicámos entrevistas com pessoas da comunidade negra, ou interessados em temáticas africanas a viver em Lisboa. Ficámos a conhecer os seus saberes e fazeres ,e fomos descortinando facetas da consciência negra em Portugal. No programa de hoje vamos fazer uma retrospetiva deste primeiro ano com excertos dos programas mais ouvidos e mais partilhados da AfroLis até agora.

Vozes por ordem de surgimento: Elisabete Cátia Suzana,  Kalaf Epalanga, General D, LBC, Mamadou Ba, Anabela Rodrigues, Maria Barbosa, Bilan, Sara Tavares e Sónia Vaz Borges

Áudio 52 – África Positiva na produção cinematográfica da brasileira Cine Group

“Uma coisa interessante que descobrimos, é que nem o próprio continente conhece o continente. O Congo conhece pouco Moçambique. Moçambique conhece pouco a Nigéria. A Nigéria conhece pouco a África do Sul e assim por diante.” (Monica Monteiro)

Hoje temos uma convidada afro-brasileira por convicção. Monica Monteiro, diretora da produtora de cinema brasileira Cine Group. A Cine Group, é uma das maiores produtoras independentes da televisão brasileira e atua no mercado desde 1997 no Brasil e no exterior.  Trabalha com diversas temáticas e atualmente tem produzido vários documentários de séries com conteúdos africanos. Monica Monteiro  encontra-se em Lisboa por ocasião do Festin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa para promover o trabalho da produtora Cine Group. O Festin começou as exibições no cinema S. Jorge a 8 de Abril e continuará até 15 de Abril.

Áudio 51 – Goretti Pina entre a literatura e a moda STP

Goretti Pina, designer e escritora, nasceu e cresceu na ilha do Príncipe- São Tomé e Príncipe. Veio para Portugal no ano de 2000 e reside em Lisboa, onde registou a sua marca de moda em 2008. Trabalhou também, até finais de 2013, como mediadora intercultural nos Serviços Públicos (nas áreas de Saúde, Educação e Intervenção Comunitária). Em 2014, aceitou o desafio lançado pela CPLP/FAO para ser Madrinha da Campanha “Juntos Contra Fome”, projeto que visa erradicar a fome nos países da CPLP, até ao ano 2025. Agora foca-se mais na escrita. Vamos conhecer melhor Goretti Pina.