Sobre

O projeto

Lisboa está a tornar-se  uma cidade cada vez mais diversa culturalmente mas os seus retratos nos media não refletem essa realidade. A Rádio AfroLis acredita que esta alienação deve ser corrigida com a contribuição das próprias camadas ausentes dos retratos da cidade em que vivem.

O audioblogue Rádio AfroLis tem como público-alvo os afrodescendentes negros que também sofrem com ausência das suas vivências nos media. Aqui poderão partilhar as suas narrativas de Lisboa e assim reivindicar o seu lugar nos retratos da sua cidade.

A missão da Rádio AfroLis é divulgar a diversidade das realidades dos afrolisboetas, assim como incentivar a sua participação na produção de conteúdos mediáticos.

O projeto Rádio AfroLis não tem fins lucrativos e surgiu da observação das ruas de Lisboa.

As pessoas

Mentora: Carla Fernandes – Jornalista e produtora de rádio

Angola é o meu país de origem mas Portugal foi o país que me viu crescer, por isso, desde bastante jovem senti na pele o peso que as diferenças culturais podem ter no relacionamento entre as pessoas. Formei-me em tradução das línguas inglesa e alemã, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e, através do processo de tradução, também me apercebi de que palavras são mais do que palavras. Traduzir não é apenas substituir uma palavra por outra. As palavras em diferentes línguas acarretam a história e estórias que identificam diferentes culturas. A cor da pele funciona da mesma forma que as línguas. As vivências dos afrodescendentes  negros na diáspora são como textos traduzidos que sofreram omissões, deturpações, mutilações no processo de tradução. Na AfroLis quero documentar as histórias de pessoas que têm a experiência da diáspora africana em Lisboa na primeira pessoa, na versão original.

Flash CV: Rádio Deutsche Welle, Serviço de Português para África (Bona); Rádio Europa Lisboa; Point Blank College, formação em produção para rádio (Londres).

Colaboradores:

Eugénia Quaresma – Psicopedagoga

Nasci em Lisboa, e desde sempre vivi na Margem Sul do Tejo. Conheço S. Tomé pelo testemunho e vivências dos meus pais e familiares e também como turista. Sou como a ponte que atravesso, a minha existência une culturas, países e identidades.
Procuro conciliar os exigentes papéis da feminilidade, conjugalidade, maternidade e cidadania no trabalho e no voluntariado.
Formada em psicopedagogia, gosto de dar voz a quem a não tem, gosto de ajudar quem me rodeia a descobrir a própria voz, gosto de contar histórias, mas principalmente gosto de escutar.

 

Herberto Smith – Fotoblogger

Herberto Smith

6 comentários sobre “Sobre

  1. Pingback: The Africanized Experience of Lisbon · Global Voices

  2. Pingback: Portogallo: Media e stereotipi razziali per gli afrodiscendenti di Lisbona · Global Voices in Italiano

  3. Pingback: Portogallo: Media e stereotipi razziali per gli afrodiscendenti di Lisbona · Global Voices in Italiano

  4. Eu sou Abdil Juma, moçambicano, actor e encenador de teatro radiofónico na Radio Moçambique e gostaria de dizer que a ideia da AfroLis é maravilhosa. Oxalá que venha servir os interesses dos visados. Ainda sou novo neste espaço mas prometo acompanhar. Abrqção a toda a Equipa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s