Opinião: Quem é a vítima? A Cova da Moura e outras histórias

Concentração: Contra a violência policial

por Elisabete Cátia Suzana 

Para que fique bem claro, a minha nacionalidade é marítima e o meu país é o mar que não pertence a ninguém e pertence a todos.

A sociedade portuguesa com uma estrutura e uma história particulares é que já separou as águas e forjou um conto ancestral sobre quem pertence a que lado. Os recentes acontecimentos na Cova da Moura, onde mais uma vez a polícia exerceu a sua autoridade aterrorizando jovens negros foram episódios desprezíveis e alarmantes. Mais do que com esta violência policial, fiquei enraivecida com as reações a este crime contra a humanidade.

Os relatos fantasiosos dos meios de comunicação portugueses criaram e reforçaram a narrativa tão comum do “negro criminoso”, a que já estamos habituados. Basta relembrarmo-nos de outros eventos, histórias sobre “arrastões” e “invasões” e “concentrações” que inundaram o imaginário português nos últimos anos, cimentando a ideia de que os negros são perigosos e mais ainda, se estiverem em grupo. O que aconteceu na Cova da Moura não é surpreendente, nem novo, nem um caso isolado. Não é fruto de algumas maçãs podres da polícia.

Abram os olhos e escutem as vozes negras de Portugal: isto é um exemplo do racismo institucional e estrutural que afecta a população negra de Portugal desde sempre. E as reações ao sucedido demonstram a falta de consciência pós-colonial do povo português. A falta de reflexão sobre os resultados abjectos do colonialismo português, uma ditadura racial mascarada de empreendimento glorioso, inovador, cume dos grandes feitos do povo português. Quando, na realidade, se perguntarem ás vítimas, mesmo se perguntarem ás fontes históricas, o que foi deveras foi um holocausto, pilhagem, roubo, destruição. Destruição de povos, das suas línguas, religiões, culturas, ecossistemas. Destruição da sua própria dignidade humana. Na realidade, destruição da sua própria humanidade. Só assim se compreende como ainda hoje em Portugal, negro é criminoso, ladrão, preguiçoso, animal sexual, estúpido, tolo, burro, irresponsável, pobre.

Concentração: Contra a violência policial [12.02.15]

É incrível que precisemos afirmar a nossa humanidade com um curso superior e postura bem -falante, “Sou um negro inteligente e instruído. Vivo na Cova da Moura, mas sou normal.” Quando negro com curso superior vai ser visto como “macaco que pensa que sabe”, é óbvio que o problema não é nosso, mas de uma sociedade que nos define a todos de maneira tão desumana, façamos o que façamos, digamos o que digamos, com português bem-falante, cursos superiores, perfis ativistas de relevo ou não. Aqui chegamos ao ponto que eu queria demonstrar neste texto. Quem são as vítimas e quem são os opressores?

Mesmo que faça comichão a muita gente, precisamos de ter uma conversa sobre privilégio branco em Portugal. Na área dos estudos críticos da branquitude (critical whiteness studies), branquitude é definida como um sistema de poder que privilegia pessoas vistas como brancas às custas da opressão de pessoas que não passam por brancas. Admitir que o negro sofre e é oprimido com o racismo é mais fácil do que assumir o próprio privilégio branco, a verdadeira raiz do problema. O problema não é alguns serem oprimidos. Isto não é um problema ‘dos negros’, ‘daqueles ali, mas que não me toca pessoalmente’. O problema é um grupo de pessoas serem privilegiadas pelo seu privilégio branco às custas do sofrimento e alienação de outras. Este é um raciocínio básico na teorização de relações de poder e hegemonia. Focando a atenção no racismo como uma coisa que acontece ali longe, e pontualmente, quem beneficia com o racismo consciente ou inconscientemente fica livre de sequer pensar no seu papel de opressor, quanto mais de sentir todas as maneiras em que tem privilégio só por ser branco. O privilégio branco é sistemático, estrutural, constante, no dia-a-dia, nas instituições, no funcionamento e organização da sociedade, nas relações interpessoais, na escola, na literatura, na criação artística, nos meios de comunicação.

É preciso relembrar que o privilégio branco está inserido no contexto da ideologia colonial que estabeleceu durante séculos a primazia de uma imaginada raça branca sobre todas as outras. Estamos perante uma hierarquia de poder, onde o negro foi relegado para o patamar mais baixo da humanidade, na realidade, por muitos séculos, nem sequer tido como parte integral da humanidade e passível de ser comprado e vendido e abusado como mercadoria. Basta ler famosos filósofos europeus como Descartes e Kant para perceber o estado degradante em que eles com toda a autoridade e facilidade posicionam o negro na categoria do sub-humano. As colónias portuguesas não foram um modelo de democracia ocidental que iluminou o povo africano com a “civilização”. As colónias portuguesas foram, como todas as outras, um modelo de apartheid racial e terrorismo estatal. Ou a memória é curta e já nos esquecemos do holocausto negro, do secular e lucrativo negócio de escravos que possibilitou a supremacia portuguesa por um tempo? Ou já nos esquecemos dos cinemas para brancos e cinemas para negros, casas-de-banho públicas para brancos, casas-de-banho públicas para negros nas queridas colónias portuguesas? Ou já nos esquecemos de uma justiça colonial com dois pesos e duas medidas, o braço longo da justiça sempre pronto a punir os negros com mais veemência e brutalidade? Ou talvez já tenha passado à memória que “ajuntamentos de nativos” foram regularmente proibidos e criminalizados, porque mais do que três ou quatro juntos, já eram uma turba desregrada? Quem se surpreende com a violência policial contra negros em Portugal? Eu não.

Concentração: Contra a violência policial

Quem é negro ou negra em Portugal já passou, digamos, nas últimas horas, por humilhações, violência física e/ou psicológica pelo mero facto de ser negro ou negra. “Race trumps class”, dizem nos EUA. E, deveras, quando Obama ganhou as eleições nos EUA, que comentários ouvi eu em Portugal? “Agora, é que o mundo vai desabar, com um preto a governar. Os pretos nem se sabem governar, por isso, estávamos lá nós, quando nos fomos embora, olha o que aconteceu.” Ou entre pessoas da classe alta branca portuguesa, conversas sobre como o Kofi Annan “é preto, mas inteligente”.

Ou na minha última visita á minha amada Lisboa, entro no supermercado no meu bairro e vem logo o segurança atrás, preocupado com esta negra que certamente entra só para roubar. Ou sempre que havia um roubo no bairro, lá ia a polícia á procura dos negros transeuntes, os suspeitos do costume. E os raids na parte do bairro onde a população era maioritariamente negra africana?

Eu visitava as minhas amigas que viviam nessa parte do bairro e arriscava-me a uma bala perdida, como tantos outros levaram. E presenciava a tempestade deixada pelos polícias em casa de uma amiga cuja mãe acabara de ter bebé. Aquilo não era casa, era um redemoinho depois da visita dos polícias, á procura de drogas que não encontraram. E, se encontrassem? Quem as comprava? Por acaso, iam á parte do bairro onde estas eram consumidas? Ou às casas de brancos que vendiam, ou todo o bairro dizia que eles o faziam? Eu vivia entre eles e nunca lá vi a polícia.

Ou na praia do Tamariz, com amigas, todas negras, adolescentes, fomos á água. Voltamos para descobrir que fomos roubadas e só não levaram foi o biquini que tínhamos no corpo. Queixamo-nos á polícia. “Vocês são todos do mesmo bando”, foi a resposta calorosa do polícia. Ou seja, todos negros, todos ladrões. Ou ainda antes, criança e levo com os brandos costumes de portugueses rebarbados e pedófilos, mesmo que não saibam que o são, pois, ao contrário do que possam pensar, uma criança negra também é uma criança e não uma miniatura de “negro”. Levo com o comum: “Preta para trabalhar, mulata para f***, branca para casar.” Brando português suave para principiantes.

Concentração: Contra a violência policial [12.02.15]

Repito: a Cova da Moura não é um acontecimento isolado. O grau de instrução das vítimas ou o cadastro de bom cidadão, negro bem-falante faz parte da estratégia do oprimido para se defender numa primeira fase e evitar ficar marcado com a estampa de “criminoso”. Mas, não nos fiquemos por aí. Já escrevia Franz Fanon: “But we can already state that to talk pidgin-nigger is to Express this thought: ‘You’d better keep your place’ “. E os negros portugueses que não falam “bem”, ou aqueles que não trabalham, as mães que desesperam para manter os seus filhos enquanto tomam conta dos filhos de mulheres brancas que só assim se podem emancipar, ou ainda aqueles que foram justa ou injustamente apanhados nas redes da criminalidade? Quem é merecedor de dignidade humana? Quem é vítima? Estamos perante um caso de dignidade humana, da qual fomos privados como negros. Raça” é uma construção social e cultural que tem infelizmente implicações graves na vida real. É urgente iniciar um diálogo sério e consequente sobre racismo afrofóbico e privilégio branco em Portugal. Um DIÁLOGO e não um monólogo, as nossas vozes negras precisam de ser ouvidas. Nós falamos por nós próprios.

Sobre a autora: Elisabete Cátia Suzana

Elisabete Cátia Suzana

Elisabete Cátia Suzana

Anúncios

5 comentários sobre “Opinião: Quem é a vítima? A Cova da Moura e outras histórias

  1. So quando se assume que se foi vitima e que
    Se tem a Legitimidade de buscar justica! E deixar que seja essa busca a defenir quem somos e nao o acto que nos vitimou…

  2. Ola Elisabete,

    Achei o seu artigo muito interessante, bem escrito e coloca o dedo numa ferida há muito aberta na sociedade Portuguesa.
    Gostaria no entanto de deixar algo para pensar.

    Creio que se continuam a misturar demasiadas coisas no mesmo cesto, quando se fala de racismo, direitos humanos, igualdade de tratamento, etc.

    É triste que ainda exista racismo em Portugal principalmente vindo de um povo resultante de tantas misturas culturais. O racismo é inaceitável, provem de uma ignorância grave e da falta de educação e diversidade cultural de um povo. No entanto as coisas vão melhorando de geração para geração e devagarinho, devagarinho tenho esperança que um dia a globalização (que tantas coisas más traz ao mundo) faça o racismo não ter sentido.

    O seu artigo menciona outra coisa que não é racismo e que se continua a confundir com racismo. Acho que isto deve ser pensado de forma diferente:

    No seu 3º parágrafo diz “…cimentando a ideia de que os negros são perigosos e mais ainda, se estiverem em grupo”. Ao longo de todo o artigo existe uma generalização de que o negro é visto como ladrão e que a população tem medo generalizado dos negros, etc.

    Ora isto não é verdade, nem tem nada a ver com racismo. Eu já viajei por muitos países e continentes incluíndo Africa. Diversas vezes frequentei sitios muito pobres e perigosos. Sei reconhecer onde está o perigo e como evitar situações potencialmente perigosas para a minha segurança. É algo genetico que todos temos, derivado de milhares de anos de evolução. É uma defesa natural. Náo é a cor da pele mas sim a forma de vestir, atitude, etc.

    Se a Elizabete passar na rua com um grupo de amigas negras eu não vou mudar para o outro lado da rua. Se vier um grupo de adolescentes negros vestidos com roupas que eu considero identificarem um grupo problemático, eu mudo de rua. Assim como mudo de rua se vir um grupo de adolescentes brancos vestidos de forma igual e com a mesma atitude.
    Não é racismo, é medo justificado.

    Eu não mudo de rua porque vejo um grupo de negros, eu mudo de rua porque vejo um grupo de pessoas que identifico como problemática para a minha segurança. É aqui que reside um dos problemas graves na discussão do racismo. Tudo o que escreveu no artigo é justo e verdade, mas há que admitir também os podres. E infelizmente na grande Lisboa a realidade é que grande parte da criminalidade de rua relacionada com confrontos cara a cara é resultante de grupos de negros adolescentes.

    Eu não tiro isto de nenhuma estatística nacional, tiro isto da minha experiência de vida e da dos meus amigos. Eu nasci numa classe média nos suburbios de Lisboa mas fora de um bairro “problemático”. Nas cerca de 10 vezes que me tentaram assaltar frente a frente, posso dizer que 8 em 10 foram negros e na maior parte das vezes mais que um. Com os meus amigos passou-se o mesmo. Alguns também negros. No entanto nestes grupos existe uma especie de codigo de honra no qual mulheres e outros negros não se classificam como alvos.

    Se formos ver a razão porque isto acontece, caímos noutro tema completamente diferente. Não duvido do bom coração de muitos desses miúdos que por aí andam nesses grupos. São miúdos nada mais. Se estão nessa vida a culpa certamente não é deles. A maior parte crescem e tornam-se cidadãos respeitaveis como os demais.

    Existe certamente algo que torna miúdos adolescentes de bairros pobres em criminosos de rua. Não é porque são negros, é porque nesses bairros reside maioritáriamente uma população negra, logo são eles que se tornam marginais. De novo, a razão disso acontecer é um debate cheio de injustiças que tem que ser repensado.

    O que não me podem pedir é que feche os olhos e finja que não existem padrões de criminalidade ligados à cor da pele. Existem e devem ser discutidos e resolvidos quanto antes.

    • Olá Miguel, obrigada pelo seu comentário.
      A sua leitura do texto da Elisabete é a mais recorrente precisamente pelo facto de haver tão poucas discussões sobre o racismo. Ao longo de todo o seu texto podem ler-se frases que se encaixam na categoria de frases racistas e preconceituosas [“O que não me podem pedir é que feche os olhos e finja que não existem padrões de criminalidade ligados à cor da pele.”; “Existe certamente algo que torna miúdos adolescentes de bairros pobres em criminosos de rua.”; “Nas cerca de 10 vezes que me tentaram assaltar frente a frente, posso dizer que 8 em 10 foram negros e na maior parte das vezes mais que um. ” ; “Não é racismo, é medo justificado.”; “Náo é a cor da pele mas sim a forma de vestir, atitude, etc.”] O texto de Elisabete reflete a experiência do racismo vivida pelos negros ao longo de séculos e em qualquer parte do mundo. Não há uma mistura de “demasiadas coisas no mesmo cesto”, como sugere, porque é uma experiência que é vivida de forma intersecional. Aconselhava-o a reler o texto de forma distanciada, pois o racismo não é uma questão pessoal: “Admitir que o negro sofre e é oprimido com o racismo é mais fácil do que assumir o próprio privilégio branco, a verdadeira raiz do problema. O problema não é alguns serem oprimidos. Isto não é um problema ‘dos negros’, ‘daqueles ali, mas que não me toca pessoalmente’. O problema é um grupo de pessoas serem privilegiadas pelo seu privilégio branco às custas do sofrimento e alienação de outras. Este é um raciocínio básico na teorização de relações de poder e hegemonia. Focando a atenção no racismo como uma coisa que acontece ali longe, e pontualmente, quem beneficia com o racismo consciente ou inconscientemente fica livre de sequer pensar no seu papel de opressor, quanto mais de sentir todas as maneiras em que tem privilégio só por ser branco. O privilégio branco é sistemático, estrutural, constante, no dia-a-dia, nas instituições, no funcionamento e organização da sociedade, nas relações interpessoais, na escola, na literatura, na criação artística, nos meios de comunicação.” Ouça também o programa: https://radioafrolis.com/2014/04/17/programa-1-media-e-estereotipos-raciais/

  3. Gostei da parte que a autora do artigo falava dos previlegios da parte “branca”, eh muito interessante e real.

    A questao do racismo eh uma questao bastante ampla e complexa, bom eh necessario estarmos conscientes do nosso valor perante a sociedade, eh preciso saber estar e encarar as coisas duma maneira frontal inteligente, no racismo diria-mos que o negro eh a vitima, mas quem sustenta o racismo?

    Se formos a analisar com calma podemos ver que o negro africano tem uma parte da culpa se nao for uma grande culpa, eu sou negro africano, mas tenho visto negros discriminando o outro negro, negro dando vantagem ao branco na propria Africa, isto talvez diria-mos que eh uma questao de hospitalidade, calor e carinho pelos outros, mas eu acho que quando o outro ve estes aspectos, nos a desprezarmos o outro negro, isto da mais forca ao tal dito “branco” para que ele se encha de forca para praticar o racismo, bom eu tenho muitos aspectos por tocar, mas nao quero tornar a minha opiniao em forma de texto cansativo, o que eu quero frizar, eh que eh preciso um trabalho de consiecializacao da parte negra ao que diz respeito ao seu valor, tanto cultural, etico, social e por ai em diante.

    So para terminar: geralmente quem pratica o racismo eh quem nao se conhece pessoalmente e eh um individuo fraco que ao querer se sentir forte vais um esforco de menospresar o outro

    • Olá Edson, obrigada pelo seu comentário!
      Leia os detalhes do texto da Elisabete, pois a sua argumentação, apesar de ter a sua relevância, foca-se novamente no aspecto interpessoal do racismo, algo que o texto se propõe ultrapassar, para que a discussão seja feita de forma séria e vá à raíz do problema. “O problema não é alguns serem oprimidos. Isto não é um problema ‘dos negros’, ‘daqueles ali, mas que não me toca pessoalmente’. O problema é um grupo de pessoas serem privilegiadas pelo seu privilégio branco às custas do sofrimento e alienação de outras. Este é um raciocínio básico na teorização de relações de poder e hegemonia. Focando a atenção no racismo como uma coisa que acontece ali longe, e pontualmente, quem beneficia com o racismo consciente ou inconscientemente fica livre de sequer pensar no seu papel de opressor, quanto mais de sentir todas as maneiras em que tem privilégio só por ser branco. O privilégio branco é sistemático, estrutural, constante, no dia-a-dia, nas instituições, no funcionamento e organização da sociedade, nas relações interpessoais, na escola, na literatura, na criação artística, nos meios de comunicação.” Ouça também o programa: – https://radioafrolis.com/2014/04/17/programa-1-media-e-estereotipos-raciais/ – para saber mais sobre como a (auto)imagem do negro é afetada por várias interações sociais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s