Áudio 98 – Arte Solidária STP

Arte Solidária STP é uma campanha iniciada, em finais de 2015, pela estilista e escritora santomense, Goretti Pina, que se juntou ao artista plástico Ismael Sequeira. O objetivo? Ajudar a angariar fundos para os doentes de Junta médica de São Tomé e Príncipe aqui em Portugal. Para nos falar sobre a iniciativa, que já começou a 20 de Fevereiro mas continua até 29 de Fevereiro, temos Maomé Smith, presidente da associação de mulheres santomenses em Portugal, Mén Non, que faz parte do conjunto de instituições que se juntaram à causa da Campanha Arte Solidária.   A Campanha Arte Solidária STP já conseguiu angariar cerca de 1500 euros! Até ao dia 29 de Fevereiro podem ainda visitar a exposição de pinturas de Ismael Sequeira e de peças de roupa da estilista Goretti Pina, na Casa do Alentejo.

 

Mais infos   Facebook

Anúncios

Áudio 97 – Culturas preservadas e valorizadas em José Manuel Reis

“(…) quando eu era miúdo e vivia nas barracas e via os prédios lá ao fundo, havia sempre um sentimento interno que me movia. Podia ter-me movido para baixo. Felizmente, moveu-me para cima, no sentido de “Mesmo assim, não me vão deitar abaixo. Eu vou conseguir fazer duas, dez, mil vezes melhor do que o que estiver ao meu lado.”

José Manuel Reis foi co-fundador e atualmente é o presidente da Associação Luso-cabo-verdiana de Sintra (ACAS) e Coordenador no centro educativo Navarro de Paiva (Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais).
Foi também atleta da seleção nacional de kickboxing durante 11 anos (entre 1997 e 2008) e terminou a carreira em 2010, tendo obtido o título de campeão do mundo. Atualmente é treinador.

Tornar-se sócio/a da Afrolis

 

Familia Afrolis CutQueres fazer parte de uma comunidade focada no debate e resolução de questões relativas aos afrodescendentes a viver em  Lisboa, Portugal e aos povos negros no mundo? Participa e torna-te sócio/a da Afrolis – Associação Cultural.

Direitos:

– Participar ativamente nas atividades da associação;

– Lançar Propostas;

– Comparecer às reuniões.

Deveres:

– Pagar cota anual;
– Respeitar valores e princípios;
– Divulgar atividades da associação;

Vantagens:

– Descontos em todos os protocolos feitos com a Afrolis (lista completa em breve);
– Descontos em todos os eventos realizados pela Afrolis (workshops ou eventos culturais);
– Apoio na divulgação de atividades culturais realizadas pelos sócios, que forem de encontro aos objetivos da Afrolis.

Apresentação da Afrolis – Associação Cultural

cropped-propostas-afrolis-simples_1

Quem Somos?

A Afrolis – Associação Cultural tem como objetivo geral promover o reconhecimento do direito universal que os afrodescendentes têm à liberdade de opinião e de expressão. Procuramos desenvolver um espaço de expressão cultural para afrodescendentes e contribuir para a divulgação da história e histórias desta comunidade. Apoiamos, por isso, a consciencialização para o que chamamos de narrativas identitárias de afrodescendentes através de atividades de responsabilidade social e de desenvolvimento comunitário que reflitam a pluralidade dessas narrativas.

O que constatamos?

ContactSheet-001Apesar de os africanos e os seus descendentes pertencerem ao terceiro maior grupo da comunidade estrangeira a viver em Portugal, vários estudos revelam que este grupo tem uma fraca e limitada expressão na maior parte dos setores da sociedade portuguesa. Esta fraca e limitada representação resulta num exercício igualmente frágil da sua cidadania, podendo culminar na exclusão e potenciar a discriminação.

O que propomos?

Propomos ser um espaço de dinamização do sentido de cidadania dos afrodescendentes através da sensibilização do observação crítica dos media, por estes serem formadores da opinião pública.

  • Sensibilizar a população em geral para as questões do racismo e da discriminação, por meio de atividades culturais.
  • Promover o diálogo entre diferentes comunidades e afrodescendentes, imigrantes e população portuguesa em geral.
  • Promover a união de diferentes comunidades que compõem a sociedade portuguesa pela valorização da diferença, através da disponibilização e produção de conhecimento sobre povos africanos e narrativas sobre afrodescendentes em relação com outros povos.
  • Atuar em periferias e locais marginalizados pela sociedade através de intervenções culturais de modo a integrar, explorar e divulgar a cultura local e potenciar o trabalho colaborativo.
A Equipa

Familia Afrolis Cut

 

O grupo de trabalho é composto por pessoas de várias origens e com trajetos de vida diferentes, mas que partilham as mesmas inquietações, as mesmas (in)certezas e que pretendem procurar, receber e difundir conhecimentos relevantes para os afrodescendentes.

Acima de tudo partilhamos a vontade de ouvir, dizer, posicionar e agir sobre a realidade de afrodescendentes em relação com a sociedade portuguesa.

 

Como começou?

Afrolis at Work (1)A AfroLis – Associação Cultural surgiu como uma extensão do trabalho que tem sido desenvolvido pelo Audioblogue Rádio Arfrolis desde abril de 2014. Este audioblogue que tem como objetivo ser uma alternativa às representações dos afrodescendentes nos meios de comunicação em Portugal. Agora o Audioblogue Rádio Afrolis é o projeto motor da Afrolis – Associação Cultural.

PARTICIPA!

Contamos contigo como parte da nossa visão de partilha e preservação  de conhecimento sobre afrodescendentes! Contamos com o teu apoio como sócio/a. A ficha de inscrição está aqui AQUI!

Obrigada!

Áudio 96 – Funge Com Cachupa Em Som (Vado e Angolano)

Vado (20), português de origens cabo-verdianas, vive na Damaia e Angolano (21), nascido em Angola, vive no Vale da Amoreira. São dois jovens que fazem música (rap, kizomba, kuduro) há mais de 5 anos e que têm um nome forte nas redes sociais onde divulgam o seu trabalho. Nesta semana de Carnaval, a dupla lançou o som “Não deixa cair a máscara”, no estilo musical Afro Trap (Kuduro e Rap). A produção é de Katana, conhecido produtor que já trabalhou com vários músicos e grupos como o Janelo dos Kussondulola.

 

Mais infos

 

Áudio 95 – Valete em retrospectiva com o olhar sobre o fututo

“Um homem que está numa luta anti-racial, tem que estar num combate feminista, numa luta contra o machismo e num combate contra a homofobia. (…) Para mim é o que faz sentido. Com muita, pena eu não vejo isso. Vejo muito pouco isso. (…) Mas também percebo que é quase impossível, tu viveres em sociedades que têm esta história de milénios racismo, milénios de sexismo, milénios de homofobia, e depois a sociedade não produzir racistas, sexistas e homofóbicas… Eu só queria que houvesse essa consciência e, a partir da consciencialização, a procura da cura.”

Valete, rapper e produtor português, filho de pais imigrantes santomenses, nascido na Damaia, Amadora. Valete é uma grande referência do Hip Hop em Portugal e, depois de 10 anos sem publicar um trabalho oficial, fala do seu percurso musical, de  novidades para abril de 2016 e do projeto, em construção, do que o artista chama de um novo Valete.