Ciclo Mundos – A periferia trás música ao centro (Songhoy Blues)

Entrevista com Aliou Toure, vocalista da banda Songhoy Blues que esteve presente no Festival Ciclo Mundos, no Teatro da Trindade (25/08/16). (Áudio em inglês)

Aliou Touré (AT): Aliou Touré, vocalista da banda Songhoy Blues. Songhoy Blues é uma banda jovem nova do Mali, África Ocidental, e estamos em Lisboa hoje para um espetáculo fantástico. O espetáculo foi muito bom e ficaria muito feliz de voltar em breve.

Rádio Afrolis (RA): Pode descrever a tipo de música que fazem?

AT: A nossa música é, basicamente, música africana. Então, nós somos uma geração africana nova, temos de nos certificar de que as gerações jovens do resto do mundo entendam finalmente o verdadeiro significado da música africana. Porque se pegares no Blues, no Rock, no Hip Hop, Reggaeton todas essas musicas vêm basicamente de África e as pessoas em todo mundo usam essa música. Quando vais para os Estados Unidos e ouves sobre Blues americano, não, não é Blues americano, vem de África. Então, a nossa música é uma mistura de todos estes tipos de música, Reggae, Hip Hop, Rcok com música tradicional africana para fazer algo especial.

RA: É a vossa primeira vez aqui em Portugal?

AT: A segunda vez. A primeira vez em Lisboa.

RA: E como sente o público aqui?

AT: O público aqui tem uma boa energia. A audiência muito boa. É como se eles compreendessem o que estamos a dizer. Eles mexem-se como em África. Eles têm uma grande comunidade africana aqui. Lisboa é cidade com uma mistura grande e boa, com pessoas africanas, com pessoas de diferentes sítios e isso faz uma mistura cultural muito grande e nós adoramos isso.

14138655_1773799926176672_7266590294140298682_o

RA: Onde vai ser a vossa próxima paragem?

AT: Vamos estar na Escócia para o próximo concerto e a seguir em Brighton, em Inglaterra, e depois França.

RA: Então têm estado a viajar muito pelo mundo com o vosso grupo.

AT: Sim, estamos a viajar há 3 anos pelo mundo para promover este álbum, “Music in Exile”

RA: E como é quando volta a tocar em África.

AT: Sempre que estamos fora e voltamos ao nosso país organizamos algo para amigos e alguns fãs que temos. Tocamos sempre no nosso país quando voltamos.

RA: E qual é a sensação?

AT: É ótimo. As pessoas ficam muito orgulhosas e muito felizes por nos ver de volta.

RA: Disse que vocês são uma jovem banda e que um dos vossos objetivos é também mostrar ao mundo que a música africana tem muitas influências e que se desenvolveu muito, acho que outros jovens em África estão a tentar fazer o mesmo?

AT: Sim, claro. Porque hoje todos em África têm Internet. Muitos artistas têm o seu próprio estúdio em casa e podem misturar diferentes estilos de música e tentar fazer a sua própria música.

14053755_1773799986176666_6510016091182640246_o

RA: Que tipo de mensagem deixaria para um jovem negro que tenha nascido e crescido na Europa relativamente à música africana? Que tipo de relação deveriam construir com a música africana?

AT: Quando tocamos na Europa ou algures fora de África, quando estão lá pessoas africanas negras elas sentem-se me casa. Nós fazemos com que elas sintam que querem voltar para África para viver lá. Quando acabamos de tocar, algumas pessoas choram, algumas pessoas ficam muito orgulhosas da música africana, de ver uma banda africana a tocar pelo mundo. Nós queremos mostrar-lhes que a vida que têm aqui também podem ter em África. Esta vida boa em África. É por isso que estamos a tentar pôr esta música boa daqui com a música boa de África para mostrar-lhes que com a música a mistura é possível.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s