Áudio 184 – Registo da Palestra “QUE SIGNIFICA DESCOLONIZAR?”

“Que significa descolonizar, em face da atualização das feridas constituídas historicamente pelo processo de instauração da colonialidade como força ordenadora do mundo? Que significa descolonizar, quando o rolo compressor da necropolítica existe em nosso encalço e os nossos fantasmas nunca descansam face à reprodução de morte como expetativa de vida de comunidades inteiras? Que significa descolonizar, quando as nossas memórias são sistematicamente apagadas como forma de garantir que os nossos futuros nunca cheguem? Esta roda de conversa partirá destas e de outras questões, interarticulando as questões levantadas pelas obras incluídas no arquivo com a atualidade das lutas por uma justiça descolonial e pela abolição de estruturas racistas em Portugal e no mundo.” Esta foi a proposta de discussão da palestra com Jota Mombaça e Joacine Katar Moreira, realizada na Galeria Av. da Índia, a 30 de setembro. A palestra fez parte de uma programação de três dias chamada Ocupação Jota Mombaça.

Biografias

Jota Mombaça (1991), artista nascida e criada no Nordeste do Brasil, identifica-se como sendo uma bicha não binária, que escreve, performa e faz estudos académicos em torno das relações entre monstruosidade e humanidade, estudos kuir, giros descoloniais, interseccionalidade política, justiça anti-colonial, redistribuição da violência, ficção visionária e tensões entre ética, estética, arte e política nas produções de conhecimentos do sul-do-sul globalizado.

Joacine Katar Moreira (1982), nascida na Guiné-Bissau, é feminista e activista negra, doutorada em Estudos Africanos e Investigadora do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE, licenciada em História Moderna e Contemporânea – vertente de Gestão e Animação de Bens Culturais e um mestre em Estudos do Desenvolvimento.  É presidente e fundadora do INMUNE – Instituto da Mulher Negra em Portugal, que reúne 27 mulheres de diversas áreas e que lutam contra a invisibilização e o silenciamento de mulheres, jovens e meninas negras na História e no tempo presente.

Anúncios