Mamadou Ba, OBRIGADA/O!

(artigo original, Buala)

Mamadou Ba tem pautado o seu percurso por uma incansável luta contra o racismo, as desigualdades e todas as formas de discriminação em Portugal.

O seu envolvimento e honestidade na Luta, faz com que seja reconhecido nacional e internacionalmente como um dos rostos mais proeminentes e mais consistentes do Movimento Negro português.

Isto acarreta responsabilidades acrescidas ao seu papel tanto político como cívico. E se este reconhecimento é fruto do seu trabalho consistente e persistente, ele tem também resultado em insultos, perseguições, ameaças de morte, tentativas de ridicularização constantes, mais racismo, mais violência e mais preconceito para com a sua pessoa – e de forma quase diária.

A comunidade negra e a comunidade cigana têm sofrido continuamente a violação dos seus direitos, a que acresce o medo, a exclusão e o abandono do Estado, nomeadamente no exercício da Justiça. Durante muito tempo, inclusive em casos de assassinato, foi sempre muito difícil para estas comunidades comprovar a índole racista da violência policial. Uma violência sobre os seus corpos que tem sido socialmente aceite, politicamente sempre justificável e economicamente insignificante. A brutalidade policial tem sido denunciada internacionalmente em relatórios com o as do Comité Europeu contra a Tortura, em queixas contra a polícia e em manifestações organizadas pelos colectivos anti-racistas e pelos movimentos de afrodescendentes portugueses.

A 21 de Janeiro de 2019, jovens dos bairros da periferia de Lisboa ocuparam o centro de Lisboa numa manifestação espontânea e pacífica decorrente das agressões no dia anterior a uma família do Bairro da Jamaica, no Seixal, pela PSP local. A divulgação de um vídeo onde a polícia agredia à bastonada, empurrava e esmurrava homens e mulheres indiscriminadamente, deixou o país perplexo e a juventude – alvo por excelência do racismo e violência policial – sentiu medo, mas desta vez não ficou em casa. Esta manifestação seria dispersa por mais de uma vez e, em filmagens que circulam pelas redes sociais, o que se constata é uso excessivo da força pela polícia, disparando balas de borracha, agredindo e ameaçando pessoas, o que resultou na detenção de quatro indivíduos negros.

Estes últimos acontecimentos, que põem a nu o sistema racista em que vivemos através do comportamento das forças policiais, da violência naturalizada sobre pessoas negras, jovens, homens e mulheres, e da impunidade permanente de tais actos, chega ao nível do intolerável.

A Mamadou Ba agradecemos a persistência e o facto de nunca ter abandonado a Luta. É, por isso mesmo, merecedor de todo o nosso apoio, solidariedade e amor! Obrigada, Mamadou Ba!

alguns subscritores 

Abel Djassi Amado, Adamares Ernesto S. da Silva, Aida Tavares, Alesa Herero, Ana Balona de Oliveira, Ana Fernandes, Ana Ferreira, Ana Rita Alves, Ana Rita De Faria Antonio, Ana Rita Rodrigues, Ana Stela Cunha, Andreia Alves, Andreia Navarro, Andredina Cardoso, André Teodósio, André Castro Soares, Andreia Alves, Anithe de Carvalho, António Brito Guterres, António Sequeira, Ariana Furtado, Beatriz Carvalho, Bruno Neto, Bruno Sena Martins, Carla Fernandes, Carla Isidoro, Carlos Dias, Carlos Leite, Carlos Valério Kangoma, Catarina Martins, Catarina Príncipe, Catia Montes, Celeste Fortes, Célia Costa, Cheila Prata, Cíntia Lopes, Cristina Roldão, Cristina Paquete Paixão, Cristina Santinho, Cristina Santinho, Daniel Martinho, Dara Ramos, Denise Viana, Dilia Fraguito Samarth, Diógenes Parzianello, Eduarda Rovisco, Eduardo Viana, ENAR – Rede européia contra o racismo, Fernanda Fragateiro, Flávio Almada, Guiomar Sousa, Helena Dias, Helena Vicente, Hugo Curado, Inês Beleza Barreiros, Inês Dias, Iolanda Évora, Isabel Ferreira Gould, Isabel Patrício Sauane, Jakilson Pereira, Joacine Katar Moreira, Joana Gusmão, Joana Mouta, Joana Sousa, João Camargo, João Pedro Vale, Joe Silva, Jorge Fonseca de Almeida, José Luis Oliveira, José Maria Vieira Mendes, José Pereira, José Pina, José Semedo, José Semedo Fernandes, Jota Mombaça, Juliana Santos Wahlgren, Karin Gomes, Kitty Furtado, Kleisy Barreto, Lesses Ulisses Fernandes Cardoso, Lígia Kellerman, Liliana Coutinho, Lívia Sampaio, Lúcia Furtado, Luís F. Simões, Luís Mah, Luís Moreira, Luzia Oca González, Maíra Zenun, Manuel Moreira, Manuela Tenreiro, Marcela Uchoa, Marcos Cardão, Maria Gil, Mário Évora, Marta Borges, Nádia Yracema, Margarida Rendeiro, Mário Carvalho, Marta Lança, Marta Mestre, Marta Ribeiro Santos, Marta Rivera Bargues, Matamba Joaquim, Miguel Lucas Mendes, Miguel Vale de Almeida, Myriam Taylor, Nancy Raisa Cardoso, Nelson dos Santos, Neusa Trovoada, Nigel Randsley, Nina Vigon Manso, Nuno Dias, Oriana Alves, Otávio Raposo, Patrícia Branco, Patrícia Santos Pedrosa, Patrícia Schor, Paula Machava, Paulo Maia, Paulo Velez Muacho, Pedro Faro, Pedro Mendonça, Pedro Neves Marques, Pedro Schact, Pedro Vieira, Rahiz, Piménio Ferreira, Raquel Lima, Raquel Saune, Renaldo Vaz de Pina, Ricardo Falcão, Rita Cássia, Rita Costa, Rita Natálio, Rita Veloso, Rodrigo Sousa, Rui Gomes Coelho, Shenia Karlsson, Sandra Costa, Sara Neves, Sérgio Vitorino, Sílvia Jorge, Sílvia Maeso, Sílvia Roque, Susana Boletas, Tiago Santos, Timóteo Macedo, Vanda Baltazar, Vasco Araújo, Vicente Mertz, Vítor Sanches, Zeze Nguelleka

Nota: Quem quiser subscrever esta carta envie nome durante o dia de hoje para o email obrigadomamadou@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s