Áudio 192 – 7ª Conferência Bianual da Rede Afroeuropeans

A 7ª Conferência Bianual da Rede Afroeuropeans vai realizar-se em Lisboa, tendo como local central o ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, de 4 a 6 de julho. Esta conferência já foi realizada em León and Cádiz (Espanha), Londres (Inglaterra), Münster (Alemanha) and Tampere (Finland) sob diferentes temáticas. A Afroeuropeans também oferece a oportunidade de fortalecer e alargar redes entre académicos, activistas e artistas que questionem o racismo estrutural e estejam envolvidos criticamente na produção de conhecimento pós-colonial sobre a negritude europeia e a diáspora africana. Estas redes de diálogo serão promovidas através de palestras, painéis temáticos, mesas-redondas, comunicações individuais e um programa artístico e cultural. Em Lisboa, o tema vai ser “In/Visibilidades Negras Contestadas”. A nossa convidada de hoje e Raquel Lima e vai falar-nos mais sobre a conferência.

Áudio 191 – Como se (des)constrói o racismo nos média? (Roteiro para Educação Antirracista)

Registo da mesa do seminário de abertura do Roteiro para uma Educação Antirracista, no dia 26 de janeiro, na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, com o tema “Como se (des)constrói o racismo nos média?”.  Os convidados, Diana Andringa, (documentarista) Joana Gorjão  Henriques (jornalista do Publico), e José do Rosendo (jornalista da Antena 1),  falaram de casos específicos para descreverem qual tem sido o papel dos media na construção e qual poderia ser a sua atuação para contribuir para desconstrução do racismo nos media.

Diana Andringa destaca o episódio do suposto “arrastão” (roubo em massa) que teria sido feito por jovens negros, na praia de Carcavelos (2005), para realçar a importância de se fazer jornalismo “com os pés”, ou seja, ir aos locais e falar com diferentes fontes mas também ter um espírito critico.  (Ver documentário da autoria de Diana Andringa “Era uma vez um arrastão”)

Joana Gorjão Henriques, revisitou o episódio da esquadra de Alfragide (2015), em que um grupo de jovens da Cova da Moura foi acusado de tentar invadir a esquadra da policia, quando apenas ia saber de um amigo que tinha sido detido. O caso encontra-se em julgamento. A jornalista menciona também a atuação dos media relativamente ao caso do bairro da Jamaica (2019).

José do Rosendo diz que espaços como a iniciativa Roteiro para uma Educação Antirracista são “balões de oxigénio” numa “sociedade que está doente” e em que os media são um reflexo dessa condição.”

Cristina Roldão, uma docente e investigadora responsável por esta iniciativa, declarou que “Este roteiro é a possibilidade de, até junho, termos todos os meses um espaço de debate sobre como desconstruir o racismo dentro da educação em diferentes áreas”. O próximo seminário vai ser no dia 23 de fevereiro.

Áudio 190 – “Amores pós-coloniais” em cena

A companhia HOTEL EUROPA estreou o espectáculo AMORES PÓS-COLONIAIS no Teatro Nacional D. Maria II no dia 7 de fevereiro e poderá ser visto ate dia 24 do mesmo mês.
AMORES PÓS-COLONIAIS é um espectáculo que parte de histórias e testemunhos reais e procura saber o que significa amar no território colonial e pós-colonial, reflectindo sobre o amor enquanto espaço político e utópico. André Amálio é o encenador, ator e um dos fundadores da companhia e fala-nos sobre este espectáculo de teatro documental.

(Foto de Filipe Ferreira)