Áudio 199 – Cinco Anos de Afrolis: o fim de uma fase

Ao longo de 5 anos refletimos sobre identidades negras e explorámos as possibilidades da nossa existência na sociedade portuguesa que são muitas mais que aquelas que nos são apresentadas nos media, na literatura e na própria história. Partilhámos percursos individuais e coletivos de pessoas negras e ampliámos os nossos horizontes.    

Foram 198 programas que não vamos conseguir revisitar neste último, mas deixamos aqui alguns excertos de entrevistas e momentos que nos fazem lembrar as lutas, os avanços, as reflexões  que fomos fazendo ao longo destes anos. 

Hoje, terminamos esta fase do projeto com a sensação de ter testemunhado e documentado vidas reais e avanços das lutas diárias de comunidades negras na área da educação, na política, na literatura, no entretenimento e estilo de vida.

As nossas comunidades negras continuarão a ser silenciadas e invisibilizadas sem o testemunho de si mesmas e cabe a nós mantê-lo vivo através da sua documentação nos mais variados formatos.

Depois destes 5 anos de audioblogue, vem o livro com as entrevistas, contextualizações e reflexões pessoais que esperamos estar pronto no próximo ano.

Fiquem atentos porque o projeto não parou, vai apenas entrar noutra fase!

A Afrolis – Associação Cultural continuará a funcionar, a apoiar e a desenvolver iniciativas e projetos. Continuem a seguir as nossas páginas no Facebook e o blogue!! 

Agradecimentos:

Herberto Smith, fotógrafo, que colaborou desde os primeiros meses, não apenas com os seus registos fotográficos, mas com a sua generosidade e entrega genuína ao projeto.

Eugénia Costa Quaresma que vinha às reuniões aos domingos com as suas filhas, deu voz a vários poemas e me motivou em diversos momentos de dúvida.

Anabela Rodrigues, diretora do Grupo de Teatro do Oprimido de Lisboa pelo apoio e por me ceder a sala do GTO e por ter proposto diversas parcerias.

Ana Yekenha que realizou reportagens para os programas e criou espaço para que eu divulgasse o projeto no evento TedxLisboa, em 2015.

A produtora Onair que me cedeu os estúdios e apoio técnico durante quase um ano.

Ao músico Mistah Isaac que apoiou a produção de vários programas no seu home studio! Assim, como em conjunto com Jiné Lourenço produziu um dos jingels da Afrolis.

Ao ator Matamba Joaquim que nos ofereceu a sua voz para esse mesmo jingel.

Ao SOS Racismo que me cedeu as suas instalações para reuniões.

Agradeço também aos seguidores do Brasil, em especial que desde o início foram sempre atentos e motivadores!

E claro, aos seguidores de Angola, Moçambique, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe e Cabo Verde!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s