Áudio 28 – Bilan: “Lisboa podia apostar mais na música africana alternativa”

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/173457472″ params=”auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true” width=”100%” height=”300″ iframe=”true” /]

Bilan, músico de Cabo Verde, São Vicente, acredita no potencial de Lisboa para desenvolver mais a música africana alternativa mas não deixa de apontar alguns pontos a melhorar. No entanto, depois de ter vivido vários anos no Porto, cidade que o marcou, Bilan encontrou uma africanidade mais intensa em Lisboa ao ponto de dizer, em tom de brincadeira, que, para muitos cabo-verdianos, a capital portuguesa é “a décima primeira ilha de Cabo Verde”.

+ Infos

Para ouvir o Bilan: Projeto de Bilan & Madou Sidiki Diabate – Sur le Niger

0 comentário em “Áudio 28 – Bilan: “Lisboa podia apostar mais na música africana alternativa””

  1. Laura Antonini

    Discordo totalmente da afirmação feita logo nos primeiros minutos da gravação: “Portugal é ainda um país fortemente colonial”, enquanto justificação de um marcado gosto musical “africano” em Portugal. Pessoalmente, prefiro olhar para os gostos musicais e os terrenos de partilha dos mesmos, como indício de uma sensibilidade comum e partilhada e não como o resultado de uma actividade obsoleta e de certeza não artística.

    1. Olá Laura, obrigada por partilhar a sua opinião. A AfroLis desenvolve um trabalho que se baseia na experiência de afrodescendentes e falamos das nossas vivências na diáspora que são diversas. Infelizmente, para nós, o colonialismo não é algo que possa ser designado como obsoleto. O colonialismo destruiu a percepção que o africano tem de si próprio, causou danos irreparáveis aos povos que oprimiu e continua a oprimir a vários níveis. Seja pelo discurso que se pratica em relação a esses povos e nações oprimidas ou pelas relações sociais, políticas, económicas com esses povos, que ainda se baseiam em valores hegemónicos. A afirmação “Portugal é ainda um país extremamente colonial, se virmos em termos de produções culturais e dos media, não há um pensamento pós-colonial forte.” Explica-se por si só. Nós também gostaríamos de olhar para “os gostos musicais e terrenos de partilha dos mesmos com indício de uma sensibilidade partilhada” no entanto, é uma partilha que não é plena. Sugiro que ouça o nosso primeiro áudio para saber um pouco mais sobre o contexto em que a frase em questão foi dita http://radioafrolis.com/2014/04/17/programa-1-media-e-estereotipos-raciais/

Deixe um comentário para Laura Antonini Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Redimensionar Fonte
Contraste