Áudio 44 – Violência Policial na Cova da Moura

“A sociedade tem que perceber que há uma coisa que assusta, que é a convicção, a certeza, quando alguém diz que nós, africanos, temos de morrer. Se pudesse, exterminava-nos!”, Lbc

[soundcloud url=”https://api.soundcloud.com/tracks/190647734″ params=”auto_play=false&hide_related=false&show_comments=true&show_user=true&show_reposts=false&visual=true” width=”100%” height=”300″ iframe=”true” /]

Quinta-feira, dia 5 de Fevereiro de 2015, foi um dia triste e chocante para muitos de nós, mas infelizmente, para os moradores da Cova da Moura foi mais um dia. Nesta última semana temos ouvido diversos relatos sobre violência policial na Cova da Moura porque cinco jovens daquele bairro foram detidos quando se deslocaram à esquadra de Alfragide para saber informações sobre um habitante da Cova da Moura que tinha sido preso nessa tarde. Na altura, a polícia, acusou o jovem inicialmente preso, de ter atacado os agentes com pedras e os cinco jovens de terem tentado “invadir” a esquadra. Flávio Almada, ou Lbc, é membro da direcção do Moinho da Juventude, um projecto comunitário que existe há 30 anos na Cova da Moura e já que chegou a receber o prémio de Direitos Humanos da Assembleia da República e conta-nos a sua versão do sucedido.

Outros artigos:

Primeiras imagens dos detidos

“Os polícias disseram que nós, africanos, temos de morrer”

Aberto processo contra polícias acusados de racismo por jovens da Cova da Moura

Portugal, o Racismo Segue de Boa Saúde

 

0 comentário em “Áudio 44 – Violência Policial na Cova da Moura”

  1. Pingback: Cova da Moura: “A violência policial é a face mais visível do racismo em Portugal” diz Flávio Almada · Global Voices em Português

Deixe um comentário para nuno soares Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Redimensionar Fonte
Contraste