Áudio 165 – Feira da Mulher Africana – FAMA 2017

Para celebrar o 31 de Julho, dia da Mulher Africana, a PADEMA (Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana) realiza, nos dias 29 e 30 de Julho, no Museu de Lisboa, no Palácio Pimenta, no Campo Grande, a III edição da FAMA – Feira da Mulher Africana. Luzia Moniz, presidente da PADEMA, fala-nos sobre o evento.

Anúncios

Áudio 159 – Responsabilidade Social e Projeto Testemunhos da Escravatura

Testemunhos da Escravatura – Memória Africana: O projeto integra a programação da Lisboa Capital Ibero-americana de Cultura, e parte das representações e das novas narrativas construídas do que a escravatura foi no passado e pretende contribuir para uma consciencialização dos equipamentos culturais, bem como contribuir para a construção de uma discussão do que, ainda no presente, significa a escravatura. 42 instituições participaram deste projeto que envolve exposições, documentos e objetos em destaque e uma página web.

Intelectuais e ativistas negros criticam a  concepção do projeto e a abordagem feita pelos equipamentos considerando que se focaram na ótica da dominação dos povos africanos negligenciando o aspecto da resistência dos mesmos e por não ter incluído curadores negros nem ter havido um diálogo com coletivos, associações de afrodescendentes e de países africanos.

Ana Cristina Leite, uma das curadoras do projeto Testemunhos da Escravatura – Memória Africana, a cargo do Gabinete de Estudos Olisiponenses, fala-nos dos objetivos do projeto e das opções feitas para a sua realização.

Mais infos:

Obra de sobre Fernanda do Vale (Preta Fernanda), mencionada na entrevista:

Recordações d’uma colonial (memórias da preta Fernanda) [por] A. Totta & F. Machado (1912)

 

 

Especial – Intervenção de Joacine Katar Moreira na Conferência “Racismo e Cidadania”

Ontem foi a conferência “Racismo e Cidadania” no Teatro S.Luiz, em Lisboa, na qual partilhei a mesa com Francisco Bethencourt, Mamadou Ba e Jorge Vala. A minha gaguez não me permitiu expressar-me de todo, o que lamento profundamente! Para que não fique nada por dizer, partilho agora aqui o que planeei para a minha intervenção. (Publicado na página do Facebook de Joacine Katar Moreira)

Conferência “Racismo e Cidadania”
Teatro São Luiz
24 de Maio de 2017
18h

Antes de mais queria saudar o Francisco Bethencourt pela iniciativa, a Joana Gomes Cardoso pelo convite e naturalmente a EGEAC e ao Teatro S. Luiz.
A minha intervenção será uma reflexão sobre a participação política dos cidadãos de origem africana em Portugal.

Esta conferência é importante porque é preciso e é urgente falar de racismo no país. Isto porque Portugal é um país historicamente e estruturalmente racista.
A sociedade portuguesa, apesar de alguns avanços ocorridos (mais em termos teóricos do que na prática quotidiana) padece daquilo a que posso chamar de esquizofrenia racial, porque de um modo geral ninguém vê, reconhece e identifica o racismo, os comportamentos racistas, as leis racistas, as observações racistas, excepto aqueles que são as vitimas desse racismo. Aliás, um bom exemplo desta esquizofrenia é que ninguém aceita que é racista neste país, apesar de na realidade os cidadãos de origem africana verem-se confrontados sistematicamente e quotidianamente com situações de racismo e discriminação.
E porque é que eu falo de esquizofrenia? Porque, por coincidência, estive a ler sobre esta patologia e consegui ver uma correlação com a forma como os racistas se comportam e posso aproveitar para dar alguns exemplos concretos.
Parece que os cinco sintomas desta patologia são os delírios, as alucinações, as alterações de pensamento, as alterações de afectividade e a diminuição de motivação:

Delírios: são ideias falsas, das quais o paciente tem convicção absoluta. Aqui se enquadram as ideias de que os negros são inferiores, ou de que o colonialismo até ajudou a desenvolver o continente africano ou que o colonialismo português foi suave em comparação com os outros países colonizadores.

Alucinações: são percepções falsas (dos órgãos dos sentidos). Aqui poria a ideia de que um grupo de jovens negros pode constituir algum perigo, a falácia do racismo inverso, por exemplo.

Alterações do pensamento: as ideias podem se tornar confusas, desorganizadas ou desconexas, tornando o discurso do paciente difícil de compreender. Tais como dizer que tem amigos negros e ter um discurso racista; ou então estar casado com um negro ou negra e julgar que isso é um atestado de não-racismo óbvio; ou então gostar muito de guineenses mas achar que os senegaleses deviam ser todos proibidos de entrar em Portugal.

Alterações da afetividade: muitos pacientes têm uma perda da capacidade de reagir emocionalmente às circunstâncias, ficando indiferentes e sem expressão afetiva. Aqui eu iria mais longe e diria que não apenas dificuldades de reagir emocionalmente, mas politicamente, socialmente e culturalmente. E aqui como exemplos entra a normalização da violência policial, os despejos de bairros de comunidade de origem africana de forma absolutamente desumana, os insultos públicos racistas, por exemplo aos futebolistas; o desprezo pelos clientes negros em muitos estabelecimentos – sem que ninguém reaja contra elas.

Diminuição da motivação: o paciente perde a vontade, fica desanimado e apático. E em caso de desemprego, eu diria que culpa os estrangeiros e seus descendentes da sua situação. Esta falta de motivação para o que é bom pode originar motivação para o que é mau, como tornar-se agressivo e violento contra aqueles que julga serem responsáveis pela sua situação, ou que julga serem inferiores ou com os quais não pretende partilhar o espaço social ou a nacionalidade.

Mas voltando à participação política da população de origem africana em Portugal.
Esta intervenção poderia durar apenas 1 minuto porque não há nada que possa suportar as minhas afirmações sobre esta temática: Não há informação estatística, científica, porque a origem étnica e racial dos portugueses não tem interessado ao Estado e às suas instituições.
Contudo, Associações de afrodescendentes e a investigadora Cristina Roldão do ISCTE, aqui presentes, têm chamado a atenção para esta lacuna e esta omissão dos dados étnico-raciais dos cidadãos portugueses, que permitiria um conhecimento integral da realidade política e social, combater problemas como o racismo estrutural e dinamizar a vida política nacional com base nas diferentes realidades dos cidadãos que a habitam.

Mas podemos sempre supor, coisa esta pouco científica e pouco profissional, sobre o porquê de aparentes comportamentos políticos dos cidadãos de origem africana no cenário político português:
– Supomos que não vão votar;
– Supomos que não estão representados na maioria das esferas da sociedade – exceptuando provavelmente a esfera desportiva.
– Supomos que não se revêm nos partidos políticos, nos políticos e suas intenções;
– Supomos que continuam a comportar-se como imigrantes, limitados na sua cidadania;
– Supomos que são um segmento da população que é invisível, não apetecível pelos partidos que não os consideram cidadãos eleitores;
– Supomos que se trata de uma população alienada da vida política; com comportamentos mesmo apolíticos;

Cinco aspectos se colocam como imediatos entraves à participação política dos cidadãos de origem africana:
1 – As desigualdades sociais e económicas que garantem a sua posição de fragilidade social e de exclusão e os limitam fortemente nas diversas esferas, quer no acesso ao ensino superior, a melhores empregos, melhores condições de habitabilidade, etc.
2- A lei da nacionalidade vigente – que rejeita a cidadania a indivíduos que mesmo nascidos em Portugal são tratados como estrangeiros até à idade adulta. Depois estranha-se a aparente alienação política destes cidadãos;
3 – A não disponibilização dos dados étnico-raciais que permita uma maior atenção e maior conhecimento sobre a realidade social dos negros portugueses, e que possa fazer face a situações de discriminação e de racismo que afetam estas populações de forma específica.
4 – O facto dos imigrantes, na sua maioria, não poderem exercer o direito de voto em Portugal, apesar de serem residentes e contribuintes. Este dado é pertinente se tivermos em conta os entraves burocráticos que a maioria tem para aceder à nacionalidade. Isto faz com que muitas pessoas, algumas há mais de 20 anos em Portugal, com filhos nascidos no país sejam até hoje estrangeiros.
5 – Por último, e talvez a causa-resultado de todos os entraves, o racismo estrutural da sociedade portuguesa, que empurra os negros para a subalternidade cidadã e para a invisibilidade política.

O que leva as pessoas a participar?
– Ou o Desejo de manter as coisas como estão, ou a vontade de mudar o estado das coisas;
No caso da população de origem africana em Portugal as respostas são curiosas:
– Claro que a motivação de cada um é o motor-chave para se alcançar qualquer feito. Mas para que haja motivação é preciso que hajam expectativas. E pelo o que os afrodescendentes e os portugueses naturalizados negros dizem, a questão é que não sentem expectativas sobre a política portuguesa. As suas vidas não mudariam perante as propostas apresentadas pelos partidos e políticos; a sua voz não conta; os seus interessem não são válidos.

E o que poderia criar esta expectativa?
– Maior representatividade dos negros nas instituições nacionais e em lugares de visibilidade;
– Mudança nos discursos políticos, que raramente abordam as questões que afetam esta população e os seus familiares, como a lei da nacionalidade, como o racismo e a segregação, a violência policial, como a importância do voto dos negros, etc.
– Abertura dos partidos políticos a cidadãos negros e que os queiram colocar em cargos elegíveis.

– Qual o impacto de uma maior e mais visível participação política dos cidadãos de origem africana em Portugal?
– Reforço da democracia nacional, com uma maior participação da sua população; Ou seja, a participação política destes cidadãos contribui para a consolidação da democracia em Portugal.
– Reforço da democracia nacional e europeia pois esta população dificilmente elegerá partidos racistas de extrema direita que ameaçam a democracia europeia.

 

Sobre Joacine Katar Moreira: assistente de investigação no Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL e membro da PADEMA – Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana.

 

Áudio 136 – Primeira Edição da Feira Afro na Crew Hassan

Feira Afro: “Esta iniciativa tem como objetivos principais contribuir para a promoção, valorização das culturas e artes africanas feitas também por afrodescendentes, dando visibilidade aos trabalhos das/os criadoras/es de várias disciplinas, num processo de pontes que permitam uma ampla e saudável vivência com respeito entre os mesmos e mais cidadãos do mundo tudo num ambiente harmonioso de uma feira o que proporciona oportunidade de trocas, vendas e descobertas.” É assim que os organizadores da Feira Afro apresentam este espaço de trocas culturais. Aqui, na Afrolis, quem fala mais sobre a iniciativa é Alexandre Yewa, membro da chamada Afro Crew e do Coletivo kilomboewa.

No final da Feira Afro, ainda se pode assistir ao concerto do Afroroots com Klement Tsamba, que também estará no espaço Crew Hassan na noite de 23 de dezembro.

Gravação feita através do Skype

Áudio 128 – Exposição Bantumen: a participação de Piera Moreau

A Bantumen, apresenta-se como a primeira revista masculina online, dedicada à comunidade africana de língua oficial portuguesa, que dá a conhecer tendências de lifestyle e entretenimento. Esta publicação vai realizar uma exposição de 3 a 5 de Novembro, que vai fundir, no mesmo espaço, arte plástica, fotografia e música. O evento vai acontecer, aqui em Lisboa, na Casa de Angola, em parceria com a FUBA (especialista em curadoria, dedicada a artistas africanos) e a BC (empresa de organização de eventos).

A nossa convidada de hoje, Piera Moreau, é uma das artistas plásticas angolanas convidadas.

flyer-exposicao-bantumen