Áudio 173 – Welket Bungué Apresenta Websérie “Vã Alma” E Mais…

Welket Bungué apresenta-se como Balanta e luso-guineense, nascido em Xitole, Guiné-Bissau (1988) e é o nosso convidado desta semana. O ator, locutor e realizador dá-nos a conhecer a websérie ‘Vã Alma’ escrita e realizada por si, uma co-produção KUSSA Productions e Comicalate. ‘Vã Alma’ tem estreia prevista para o primeiro semestre de 2018 e conta no elenco com Gio Lourenço, Cleo Tavares, Mauro Herminio, Bruno Miguel Mateus entre outros. A data de lançamento do videoclip ‘Luta Pa Bu Vida’ é dia 1 de Março no YOUTUBE @Dambù Official.

Anúncios

Áudio 172 – Apresentação Do Livro “Djidiu – A Herança do Ouvido”

No áudio de hoje temos um excerto da apresentação do nosso livro Djidiu – A Herança do Ouvido na livraria Tigre de Papel em Arroios, no dia 21 de Fevereiro de 2018. Foi mais um momento Djidiu  em que nos unimos em torno de nós próprios para partilhar com todos os dispostos a ouvir. A apresentação neste áudio é um excerto da intervenção de Carlos Graça, um dos djidius do livro.

Áudio 171 – Agadá – Companhia de Dança Afro Contemporânea

Lúcia Afonso, Jorge Cipriano e David Amado formam a constelação perfeita para a criação da Agadá – uma Companhia de Dança Afro Contemporânea. Este projeto tem o intuito de abrir espaço para bailarinos negros e aumentar a diversidade no chamado ballet clássico. A primeira Audição vai ser no dia 16 de fevereiro de 2018 no Jazzy Dance Studios em Saldanha, e as inscrições têm sido feitas através do email: ciaagada@gmail.com

“As pessoas acham que certos tipos de dança são reservadas para certas pessoas. Eu, por ser bailarino clássico, as pessoas acham: mas você não é branco; você não é mulher; você não tem esse corpo de bailarino… Mas eu quero fazer essa fusão para criar algo novo e para criar um espaço para pessoas que se parecem comigo. (…) Eu quero contar historias negras com o ballet (…)”, David Amado.

Áudio 170 – Literatura infantil negra “O Pequeno Rasul”

“Era uma vez um pequeno feijão africano que…” E o resto contam-nos Akil de Sousa e Andreia Tavares no livro infantil Pequeno Rasul. Este livro foi pensado para o seu filho, Diego, que, como muitas crianças negras, poucas histórias tem nas quais se consegue rever.  O lançamento do livro vai ser no próximo dia 17 de Fevereiro, pelas 16h, na Associação Juvenil TACE, (Rua Augusto Nobre, nº4A, Outurela – Carnaxide, Oeiras-Lisboa).

Livro Djidiu – A Herança do Ouvido, por Joacine Katar Moreira

“Não há revolução sem amor, sem cultura e sem sonhos. Não há revolução sem ódio, sem separações e sem unidade.

Carlos Graça, Carla Lima, Carla Fernandes, Luzia Gomes, Apolo de Carvalho (Esq. p/ dir.)

O Djidiu escolheu o amor para expressar os mais diversos sentimentos que habitam os afrodescendentes portugueses: sobre a educação, a cultura, representatividade, as liberdades, a família, as violências, opressões e exclusões que marcam as suas vidas. A sociedade portuguesa recusa ser racista, mas como pode não ser racista se apenas considera portugueses os brancos que a habitam? Perguntam-nos sempre de onde somos. Nós vivemos aqui, nós crescemos aqui, nós trabalhamos aqui, contribuímos aqui, construímos aqui, nascemos aqui e morremos aqui. Mas não somos daqui. Por outro lado e falando agora para os activistas de que sou parte, este livro para mim simboliza a diversidade. Não é um livro que fala a uma só voz. Cada autor verbaliza a sua própria história, as suas experiências individuais, na sua própria voz e olhar sobre a história e o presente, mesmo que muito do que é relatado nos seja familiar ou nos toque profundamente.

Joacine Katar Moreira, Carla Fernandes, Anabela Rodrigues, Cristina Roldão (esq. p/ dir.)

 

É esta diversidade que o activismo negro em Portugal tem de aceitar. Esta pluralidade de vozes e de lugares de fala entre nós. Porque a verdadeira unidade, não é a que acontece entre partes iguais, mas sim entre alas diferentes de pensamento e de acção. Quando dois pensamentos iguais se encontram elas se fundem. Quando dois pensamentos diferentes dialogam, eles continuam sendo dois e continuam dialogando, ocupando mais espaço de intervenção. Temos de controlar a vontade da fala única e a necessidade de convergência sempre, porque a nossa força está na pluralidade das nossas vozes. É preciso aceitar as diferenças e nunca, jamais encerrar as fileiras. Esta obra vem provar-nos que é este o caminho.”

Joacine Katar Moreira sobre o livro Djidiu – A Herança do Ouvido, no dia 23 de janeiro de 2018, na apresentação da obra, no Museu do Aljube.

Onde comprar o livro:
Livraria Ler Devagar (LXFactory)
Livraria Ferin (Chiado)
Livraria Tigre de Papel (Arroios)
Livraria Distopia (Sao Bento)
Livraria Pó dos Livros (Saldanha)

Áudio 169 – Memorial Às Vítimas da Escravatura Em Lisboa

A Djass – associação de afrodescendentes propôs  a construção de um memorial às vítimas da escravatura no centro histórico como projeto para o orcamento participativo da Câmara de Lisboa e ganhou com a maior votação.  Beatriz Dias , presidente da Djass, fala-nos deste prémio lembrando a importância de honrar a memória de pessoas escravizadas, do reconhecimento dessa experiência e da criação de medidas de reparação do legado da escravatura.