Áudio 99 – We Love Carapinha

Telma e Carla iniciaram um canal no youtube em Fevereiro de 2015 e desde então  têm dado dicas valiosas a pessoas que, tal como elas, também tiveram dificuldades em tratar dos seus cabelos naturais e em outros estados. Vamos conhece-las melhor e saber o que têm partilhado e aprendido com o seu Vlogue We Love Carapinha.

 

 

Tornar-se sócio/a da Afrolis

 

Familia Afrolis CutQueres fazer parte de uma comunidade focada no debate e resolução de questões relativas aos afrodescendentes a viver em  Lisboa, Portugal e aos povos negros no mundo? Participa e torna-te sócio/a da Afrolis – Associação Cultural.

Direitos:

– Participar ativamente nas atividades da associação;

– Lançar Propostas;

– Comparecer às reuniões.

Deveres:

– Pagar cota anual;
– Respeitar valores e princípios;
– Divulgar atividades da associação;

Vantagens:

– Descontos em todos os protocolos feitos com a Afrolis (lista completa em breve);
– Descontos em todos os eventos realizados pela Afrolis (workshops ou eventos culturais);
– Apoio na divulgação de atividades culturais realizadas pelos sócios, que forem de encontro aos objetivos da Afrolis.

Áudio 91 – Inocência Mata Sobre Literaturas Africanas Em Língua Portuguesa

“O facto é que as editoras portuguesas publicam autores brancos e mestiços, maioritariamente. Esta é uma constatação! Não me impeçam de dizer isso!”, declara Inocência Mata.

Professora e escritora santomense recebeu o prémio FEMINA 2015, pelo seu trabalho de investigação e ensino de literaturas escritas em língua portuguesa. Inocência Mata é doutora em Letras e pós-doutorada em Estudos Pós-coloniais. Entre os livros publicados estão: Ficção e História na Literatura Angolana: o caso de Pepetela; A Literatura Africana e a Crítica Pós-Colonial: Reconversões; Polifonias Insulares: Cultura e Literatura de São Tomé e Príncipe e muitos mais. Atualmente é professora associada do Departamento de Português da Universidade de Macau.

Dizer, Ouvir, Posicionar e Agir para combater o racismo

“Eu sou uma mulher negra. Eu sou a mulher que, depois de violada em frente ao seu marido, amamentou o filho do seu violador porque a sua mulher não tinha leite. Eu sou a mulher que foi obrigada a entregar o seu próprio filho para trabalhar em casa do seu agressor.”

Será que é esta a narrativa que queremos continuar a repetir? Ou queremos Dizer a nossa verdade, Ouvir a verdade do outro, Posicionar-nos em relação à realidade que ouvimos e exprimimos  e Agir sobre essa mesma realidade?

Áudio 86 – Kora apresentado pelo Mestre Galissá

Foto: Afonso Bastos

O nosso convidado de hoje toca um instrumento encantador, o Kora – “o instrumento que abrange tudo”. Braima Galissá, ou simplesmente  Mestre Galissá é guineense e está em Portugal desde 1998. Mas no seu país, Guiné-Bissau, foi compositor do Ballet Nacional e professor de Kora na Escola Nacional de Música José Carlos Schwarz durante 11 anos. Já participou em atividades culturais em vários países e Portugal não é uma exceção. Vamos conhecer melhor Braima Galissá.

Áudio 83 – Concerto Liberdade Já!

Esta quarta-feira, 11 de novembro, dia em que muitos celebraram os 40 anos da independência de Angola, em Lisboa, no Jardim de Campolide, mais de 30 artistas subiram a um palco, num concerto gratuito, para lembrar que ainda se tem de lutar pela Justiça e a Liberdade de todos os presos políticos em Angola. Eu estive lá com a Ana Yekenha Ernesto que escreveu uma reportagem para ser publicada no audiblogue Rádio AfroLis assim como no facebook. E eu deixo-vos com alguns dos momentos musicais do concerto com Sara Tavares, NBC, Dino d Santiago, Karyna Gomes, Selma Uamusse, Batida entre muitos outros.

“Deteriora-se o estado de saúde de vários activistas detidos no caso conhecido como 15+2, relativo aos 15 ativistas detidos desde 20 de Junho e acusados de actos preparatórios de tentativa de golpe de Estado e atentado contra o Presidente José Eduardo dos Santos, tal como as ativistas Rosa Conde e Laurinda Gouveia, que aguardam em liberdade o julgamento agendado para começar dia 16 de Novembro.” Ler mais (Artigo da RFI)

 

Áudio 81 – Tá-se bem com Kussondulola em Lisboa

Na entrevista de hoje “tá-se bem” com Janelo líder dos Kussondulola, grupo que marcou o Reggae em Portugal. Ao longo de 2015, em formato de Kussondulola systema de som está a apresentar ao vivo o álbum “Tá-se Bem de 95 “ que comemora 20º anos de edição. Agora começou a tour de Inverno – “África Lisboa” Riddim com Janelo dos Kussondulola e convidados, como Select Selecta Nagga Fire, Select Bob Figurante – Mano GB – Marcus Harris ,Shoriyaga,kalonga, Bjoy , Walle.

Ouçam o teaser para o novo single “ Jah cheguei a Lisboa”  feat. Valete:

Áudio 79 – Hiphop tuga na voz de J.Cap

J.Cap rapper/produtor(aka Mauro Simões) natural de angola. De momento Independente prepara-se para lançar o seu segundo álbum chamado Harry Jones. Os temas têm influencias diversificadas e foram produzidos e misturados pelo próprio J.Cap, com participações de Regula, Halloween, Sam the Kid, Valete, Sir Scratch, Bambino Black Company, Birro e muitos mais.

Saibam mais sobre o artista:

http://www.facebook.com/jcap.mauro.simoes
http://www.facebook.com/JCapoficial
http://www.twitter.com/jcapoficial
http://www.youtube.com/jcapoficia
http://www.instagram.com/jcapoficial

Áudio 77 – Jovens Afrodescendentes E As Eleições Legislativas

“Muitos jovens estão cá mas não se sentem portugueses de primeira (…) eles não se sentem portugueses então não sentem, de certa forma, também a necessidade de participar ativamente.” Cythia Neto

Hoje temos um programa um pouco diferente. Não temos um convidado mas temos uma reportagem. Em vésperas de eleições legislativas, marcadas para o próximo domingo, 4 de outubro, quisemos saber qual é a atitude de jovens afrodescendentes a viver em Lisboa perante o voto e a participação política de pessoas de origem africana em Portugal. A reportagem é de Ana Yekenha Ernesto

Áudio 75 – Um olhar angolano sobre Lisboa em pintura

 

“É inserir a arte no ambiente em que vivo.” Eunice Nepalanga  é angolana, vive em Portugal há mais de 20 anos e é artista de rua. Há cerca de 9 anos, tem as ruas de Lisboa como motivos para as suas pinturas, que vão nas memórias e nas bagagens de muitos turistas que visitam a capital portuguesa. Saibam como contactar com Eunice Nepalanga clicando aqui.

Foto retirada do site Bantumen