Áudio 165 – Feira da Mulher Africana – FAMA 2017

Para celebrar o 31 de Julho, dia da Mulher Africana, a PADEMA (Plataforma para o Desenvolvimento da Mulher Africana) realiza, nos dias 29 e 30 de Julho, no Museu de Lisboa, no Palácio Pimenta, no Campo Grande, a III edição da FAMA – Feira da Mulher Africana. Luzia Moniz, presidente da PADEMA, fala-nos sobre o evento.

Anúncios

Nós Nos Livros: Joaquim Pinto de Andrade – uma quase autobiografia

Eu acho importante ler este livro porque…

Por Adolfo Maria

Joaquim Pinto de Andrade é um dos pioneiros do moderno nacionalismo angolano, por isso sofreu durante treze anos prisões e desterros impostos pelo regime colonial português, ao qual se opôs tenazmente pelas suas acções: consciencializando angolanos sobre os ideais da independência, integrando grupos políticos nacionalistas, desafiando em corajosa atitude os esbirros coloniais quando estava  preso, dizendo-lhes olhos nos olhos porque era justa a luta dos angolanos e porque ele, J. P. Andrade, devia estar ao lado do seu povo na luta pela independência de Angola. E, já no país independente, continuou sempre ao lado do povo, afrontando temerariamente a intimidação e a repressão, reclamando contra as injustiças, pugnando pela democracia, sempre digno, sempre coerente, numa exemplar atitude de cidadão.

Foto: Salambende Mucari

Sobre ele e o seu combate foi publicado agora um livro Joaquim Pinto de Andrade – uma quase autobiografia . Editado pela “Afrontamento”, é uma publicação resultante do incansável esforço de recolha documental feito pela mulher de Joaquim, a Tó, e coroado com o precioso trabalho final executado pela Diana Andringa, dando-nos uma obra onde impera o rigor.

Numerosos documentos ilustram a porfiada luta de Joaquim Pinto de Andrade pela independência e dignidade do povo angolano, nomeadamente o corajoso combate contra a tenebrosa polícia do regime salazarista, a PIDE, e depois pela democracia no seio do MPLA e em Angola. Discursos, cartas e comunicações do Joaquim aqui publicados revelam a sua erudição e cultura  (Joaquim Pinto de Andrade, padre quando foi preso, era formado em Filosofia e Teologia, dominava sete línguas: latim, italiano, francês, inglês, alemão, kimbundu e português).

Nesta obra de cuidada edição: Joaquim Pinto de Andrade – uma quase autobiografia, acompanhamos o exaltante percurso deste nacionalista angolano, um humanista e incansável combatente da liberdade, que tem craveira universal, mas que está pouco presente na historiografia angolana e é ignorado ou minimizado pelas várias histórias oficiais: a do MPLA e a de Angola.

Áudio 158 – Isabél Zuaa sobre ser atriz negra

“O maior talento é permanecer nesse meio que é tão hostil para corpos que são diferentes (…) Nós somos diferentes e temos que assumir essa diferença sem constrangimentos.” (Isabél Zuaa)

Isabél Zuaa nasceu de uma mãe angolana e de um pai da Guiné-Bissau em Lisboa.  Foi aqui que iniciou a carreira de atriz e bailarina e foi para o Brasil para alargar os seus horizontes e aprofundar a sua formação. Integrou-se no grupo de Gustavo Ciriaco e, no cinema, como coprotagonista do filme Joaquim. Aqui em Portugal faz parte do elenco da peça de teatro Moçambique , de Jorge Andrade, que ganhou o prémio de “Melhor Espectáculo”, da Sociedade Portuguesa de Autores e foi nomeada para os Globos de Ouro.

 

 

Áudio 140 – Festival Musidanças Apresentado Por Firmino Pascoal

Festival Musidanças cumpre, em setembro de 2017, 17 anos. A sua missão  é dar a conhecer músicos de países em que se fala português. A entrevista de hoje é com Firmino Pascoal, músico, produtor e artista plástico de origem angolana e impulsionador do festival.
Atualmente a promoção do Festival Musidanças tem sido feita:
– semanalmente, através do Musidanças – Encontro da Lusofonia;
– mensalmente através do Musidanças – World Sessions

Áudio 129 – Canal Yolanda Tati

foto-2

Foto: JL Fotografia; Make-up: Patricia Gaspar; Produção: André Mariano; Styling: Yolanda Tati

Lifestyle, carreira e empreendedorismo são apenas alguns dos temas que podemos ver desenvolvidos no novo Canal do Youtube Yolanda Tati.  O seu vídeo, “Mulheres negras com diploma”, chamou a nossa atenção por partilhar experiências suas, como mulher negra com diploma, mas também por analisar situações, descritas nos media, vividas por mulheres como ela.

Yolanda tem várias facetas e uma delas é a de empresária afrolisboeta com a Tête-À-Tête JazzGuest House – “uma guesthouse [que] tem uma filosofia ecológica e pretende ser uma junção entre uma hospedaria domiciliar, um clube de jazz e um restaurante de comida saudável!”  Todas as facetas de Yolanda convergem numa mulher que acredita na força da determinação e da partilha do conhecimento para a construção de um mundo melhor.

Áudio 128 – Exposição Bantumen: a participação de Piera Moreau

A Bantumen, apresenta-se como a primeira revista masculina online, dedicada à comunidade africana de língua oficial portuguesa, que dá a conhecer tendências de lifestyle e entretenimento. Esta publicação vai realizar uma exposição de 3 a 5 de Novembro, que vai fundir, no mesmo espaço, arte plástica, fotografia e música. O evento vai acontecer, aqui em Lisboa, na Casa de Angola, em parceria com a FUBA (especialista em curadoria, dedicada a artistas africanos) e a BC (empresa de organização de eventos).

A nossa convidada de hoje, Piera Moreau, é uma das artistas plásticas angolanas convidadas.

flyer-exposicao-bantumen