Áudio 158 – Isabél Zuaa sobre ser atriz negra

“O maior talento é permanecer nesse meio que é tão hostil para corpos que são diferentes (…) Nós somos diferentes e temos que assumir essa diferença sem constrangimentos.” (Isabél Zuaa)

Isabél Zuaa nasceu de uma mãe angolana e de um pai da Guiné-Bissau em Lisboa.  Foi aqui que iniciou a carreira de atriz e bailarina e foi para o Brasil para alargar os seus horizontes e aprofundar a sua formação. Integrou-se no grupo de Gustavo Ciriaco e, no cinema, como coprotagonista do filme Joaquim. Aqui em Portugal faz parte do elenco da peça de teatro Moçambique , de Jorge Andrade, que ganhou o prémio de “Melhor Espectáculo”, da Sociedade Portuguesa de Autores e foi nomeada para os Globos de Ouro.

 

 

Nós No Cabelo – Testemunho de Renata

Olá chamo-me Renata e tenho 27 anos. Há um ano e tal decidi não usar mais químicos (desfrisantes) no meu cabelo. Como usava sempre extensões, o meu cabelo ficou muito danificado e tinha sempre a necessidade de desfrisar alguma parte para ficar liso e igual à tissagem. Decidi cuidar do meu próprio cabelo e usar os produtos adequados para deixá-lo mais saudável e garanto que, cada vez mais, estou feliz e satisfeita com o resultado. Esta decisão não só foi tomada pelo facto do meu cabelo estar danificado, mas também porque decidi aceitar-me como a mulher africana poderosa que sou. O meu afro representa as minhas origens, a minha cultura, a minha força, poder e o meu valor. O meu cabelo é bonito e não preciso de cobri-lo com outros penteados “aceitáveis”.

Áudio 155 – Desfazendo os “Nós No Cabelo”

Um artigo que apresenta um estudo argumentando que as mulheres negras que utilizam o cabelo natural tem a autoestima baixa, motivou Mariama Djalo a questionar outras mulheres negra, como ela, que se decidiram por utilizar o cabelo como lhes cresce da cabeça, ou seja natural, se se identificavam com o que dizia o artigo. Mariama resolveu, com um grupo de amigas do Brasil, Guiné-Bissau, Lisboa, Porto, Londres e outros lugares do mundo, partilhar as suas histórias de modo a mostrar que, elas ficaram com a autoestima mais alta, a partir do momento em que começaram a utilizar o cabelo natural, contrariando o artigo em questão.

Mariama Djalo, enviou-nos o primeiro testemunho do projeto “Nós No Cabelo” que pretende ser mais um instrumento de partilha de testemunhos/experiências sobre o cabelo africano na primeira pessoa.

A Afrolis aloja o projeto “Nós No Cabelo” e todos os sábados será partilhado um testemunho de alguém da nossa comunidade sobre o significado do cabelo para si. Participem enviando o testemunho gravado em áudio, vídeo, ou escrito para mary_csc@hotmail.com ou para cjg_86@hotmail.com.

Testemunho de Mariamaa Djalo, a mentora do projeto “Nós No Cabelo”.

“Olá sou a Mariama e tenho alguns anos de idade. Nunca fui uma pessoa de usar desfriso no cabelo. A minha mãe nunca deixou, pois, ela sempre dizia que tinha um bom cabelo e que o desfriso iria acabar por estragá-lo.

 À medida que fui crescendo, desfrisar o cabelo passou a ser algo que não me chamava a atenção. Mas o engraçado é que eu gostava de esticá-lo. Achava que não era algo agressivo… Ainda me recordo do cheiro a cabelo queimado.

 Muitas vezes usava a minha carapinha natural mas sentia-me intimidada com o algo… Talvez devido a certos olhares e comentários que me faziam acreditar que devia cobrir o cabelo com tranças ou com a chapa de alisamento.

 Em fevereiro de 2013, após anos de hesitação, decidi encarar o BIG CHOP – cortei o cabelo à rapaz! Inicialmente foi um choque mas ao ver-me ao espelho senti-me LIVRE, LEVE E LINDA!! Após anos de agressões para com o cabelo, tentando domá-lo com ferro quente… UFAAAAAA que alívio!

 Em agosto de 2013, iniciei a minha caminhada com as rastas. No princípio, ouvi vários comentários negativos sobre a minha decisão mas a minha cabeça já estava livre dessa escravidão mental. Nenhum desses comentários me afetava, pois voltar às minhas raízes elevou a minha autoestima e comecei a acreditar que era bonita no meu padrão natural.

 O meu cabelo para mim significa o orgulho e a aceitação das minhas raízes, que perante a sociedade onde a supremacia branca é tão forte que leva muitos a acreditar que o meu cabelo natural é feio. Para mim, o cabelo natural tornou-se um ato de resistência contra essas mentiras idealizadas pela sociedade.

Cada dia que passa, sinto-me mais linda e melhor com a minha aceitação e vou quebrando, rebentando com os tabus negativos criados sobre os nossos cabelos naturais.

BE THE REAL U…”

Enviem o vosso contributo em vídeo, áudio ou por escrito para mary_csc@hotmail.com  (Mariama Djalo)  ou para cjg_86@hotmail.com  (Carlos Graça).

Sobre o projeto “Nós no Cabelo”:

Conceito- Partindo da ideia que o cabelo natural é um ato político e revolucionário, torna-se necessário a discussão e elaboração de ferramentas que trabalhem nesse mesmo campo. “Nós No Cabelo” pretende ser mais um instrumento de partilha de testemunhos/experiências sobre o cabelo africano na primeira pessoa. A ideia é desconstruir a ideia de cabelo ruim/sem valor/menos bom/indomável e resgatar a nossa negritude, que é muitas vezes auto-negada/reprimida pela pressão ou repressão de padrões de beleza impostos. É questionar/debater o significado, a importância do cabelo para nós enquanto sujeitos negros, através da divulgação/narração de histórias, empoderando o nosso consciente e inconsciente.

A escolha do nome surge por ter duplo sentido:
1- Por retratar as nossas ideias sobre o cabelo, ou seja pensar-se o cabelo (ex: o representa; diferentes fases; processo de negação/aceitação; desvalorização/valorização; reconhecimento; cabelo/cultura; cabelo/resistência; cabelo/poder; etc)
2- Por a mente “andar cheia de nós” enquanto estamos numa fase mais inconsciente ou de desconhecimento sobre a importância do cabelo, levando na maioria das vezes a amputarmos parte daquilo que somos e que faz parte de nós. Aqui os nós acabam por ser as ideias baralhadas. Então a ideia é desenrolar os nós.
Como será feito- Através da recolha de testemunhos e divulgação semanal (sábado) de uma experiência. Todas estas experiências servirão de base, de recolha de informações, troca de experiências/ideias, discussão, reconhecimento e fortalecimento da autoestima direcionado especialmente para os desconhecedores/as de toda a potencialização do seu cabelo.

Adere enviando o teu testemunho por mensagem privada e partilha!

Mentora e responsável do projeto – Mariama Djaló
Coadjuvante – Carlos Graça

Áudio 138 – Aqu’Alva Stória – Festival, contado por Adriano Reis

A Associação de Dinamização Ambiental, Social e Cultural de Portugal (RJ ANIMA) promove o Aqu’Alva Stória – Festival, que arranca oficialmente no dia 10 de janeiro, mas decorre de 1 a 8 de abril de 2017. Anualmente o festival dedica-se à descoberta da narração oral de um dos países de comunidades em que se fala o português. Nesta segunda edição do festival o país convidado é Timor. Adriano Reis, contador de histórias, ator e dinamizador cultural cabo-verdiano, conta-nos mais sobre esta iniciativa da qual é  impulsionador, através da RJ ANIMA.

 

Áudio 136 – Primeira Edição da Feira Afro na Crew Hassan

Feira Afro: “Esta iniciativa tem como objetivos principais contribuir para a promoção, valorização das culturas e artes africanas feitas também por afrodescendentes, dando visibilidade aos trabalhos das/os criadoras/es de várias disciplinas, num processo de pontes que permitam uma ampla e saudável vivência com respeito entre os mesmos e mais cidadãos do mundo tudo num ambiente harmonioso de uma feira o que proporciona oportunidade de trocas, vendas e descobertas.” É assim que os organizadores da Feira Afro apresentam este espaço de trocas culturais. Aqui, na Afrolis, quem fala mais sobre a iniciativa é Alexandre Yewa, membro da chamada Afro Crew e do Coletivo kilomboewa.

No final da Feira Afro, ainda se pode assistir ao concerto do Afroroots com Klement Tsamba, que também estará no espaço Crew Hassan na noite de 23 de dezembro.

Gravação feita através do Skype

Áudio 129 – Canal Yolanda Tati

foto-2

Foto: JL Fotografia; Make-up: Patricia Gaspar; Produção: André Mariano; Styling: Yolanda Tati

Lifestyle, carreira e empreendedorismo são apenas alguns dos temas que podemos ver desenvolvidos no novo Canal do Youtube Yolanda Tati.  O seu vídeo, “Mulheres negras com diploma”, chamou a nossa atenção por partilhar experiências suas, como mulher negra com diploma, mas também por analisar situações, descritas nos media, vividas por mulheres como ela.

Yolanda tem várias facetas e uma delas é a de empresária afrolisboeta com a Tête-À-Tête JazzGuest House – “uma guesthouse [que] tem uma filosofia ecológica e pretende ser uma junção entre uma hospedaria domiciliar, um clube de jazz e um restaurante de comida saudável!”  Todas as facetas de Yolanda convergem numa mulher que acredita na força da determinação e da partilha do conhecimento para a construção de um mundo melhor.