Áudio 91 – Inocência Mata Sobre Literaturas Africanas Em Língua Portuguesa

“O facto é que as editoras portuguesas publicam autores brancos e mestiços, maioritariamente. Esta é uma constatação! Não me impeçam de dizer isso!”, declara Inocência Mata.

Professora e escritora santomense recebeu o prémio FEMINA 2015, pelo seu trabalho de investigação e ensino de literaturas escritas em língua portuguesa. Inocência Mata é doutora em Letras e pós-doutorada em Estudos Pós-coloniais. Entre os livros publicados estão: Ficção e História na Literatura Angolana: o caso de Pepetela; A Literatura Africana e a Crítica Pós-Colonial: Reconversões; Polifonias Insulares: Cultura e Literatura de São Tomé e Príncipe e muitos mais. Atualmente é professora associada do Departamento de Português da Universidade de Macau.

Anúncios

Áudio 80 – Literatura infantil vinda de Angola

A nossa convidada é a escritora angolana Isabel Lafayette, autora da obra As Orelhas de Mutaba, que venceu a edição de 2010 do “Concurso Caxinde de Conto Infantil” em Luanda. Agora em Portugal continua a promover o seu livro nunca esquecendo o papel que a Associação Chá de Caxinde teve na sua produção literária. Vamos conhecer melhor Isabel Lafayette que, entre outras coisas, comenta também situação da liberdade de expressão no seu país.

 

 

Áudio 51 – Goretti Pina entre a literatura e a moda STP

Goretti Pina, designer e escritora, nasceu e cresceu na ilha do Príncipe- São Tomé e Príncipe. Veio para Portugal no ano de 2000 e reside em Lisboa, onde registou a sua marca de moda em 2008. Trabalhou também, até finais de 2013, como mediadora intercultural nos Serviços Públicos (nas áreas de Saúde, Educação e Intervenção Comunitária). Em 2014, aceitou o desafio lançado pela CPLP/FAO para ser Madrinha da Campanha “Juntos Contra Fome”, projeto que visa erradicar a fome nos países da CPLP, até ao ano 2025. Agora foca-se mais na escrita. Vamos conhecer melhor Goretti Pina.

Áudio 38 – Kalaf, O Angolano que comprou Lisboa…

Começamos o ano com uma conversa com Kalaf Epalanga que fala, entre outros assuntos, sobre o seu último livro O angolano que comprou Lisboa (por metade do preço).

“Eu não quero, de todo, construir uma cultura unilateral. Pelo contrário, quero fazer parte de uma cultura plural, onde o ser negro tem várias nuances, várias formas estar, várias formas de abordar…”, afirma Kalaf.

Áudio 35 – Sónia Vaz Borges apela à produção literária dos afrodescendentes

Sónia Vaz Borges é a autora do livro “Na Pó Di Spera” com lançamento marcado para esta quinta-feira [11.12.14] na  Fundação Calouste Gulbenkian. A académica e autora de obras publicadas defende que a produção literária por parte dos afrodescendentes é essencial para garantir as referências à sua presença histórica em Portugal.

Ouçam o programa para saberem o significado de “Na Pó Di Spera” que conta a história do bairro de Santa Filomena através da experiência de uma descendente de cabo-verdianos, que se distancia da sua posição de técnica e se deixa adotar pelo bairro.

Sónia Vaz Borges é licenciada pelo ISCTE-IUL  em História Moderna e Contemporânea, variante política e relações internacionais. O seu mestrado foi em história de África pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Atualmente faz um doutoramento em Berlim, na Universidade de Humboldt em História da Educação, centrando-se no tema: luta de libertação enquanto prática educativa no PAIGC entre 1956-1974.