PéKáPéLá: Angolanamente…

Por Cristina Carlos

Eu sou angolana, mas não posso, nem devo falar pelo povo. Para “eles” o meu gingar é tão estranho como o meu falar – rápido demais, mesmo para o Semba e em flagrante desrespeito pelas regras básicas da dança nacional.

Na vida como na dança, o homem manda e não se enfrentam os obstáculos, contornam-se! E, entre a saída da mulher e um retrocesso bem feito, mantendo calmamente a postura, como que se caminhando, fala-se sorrindo com o adversário, enquanto a música chora “ me tiraram a vaidade…”.

Gosto da dança, admito. Não respeito todas as regras e, por vezes, o meu par fica cansado. Mas com uma risada nervosa,  é verdade, já não peço desculpa – disfarço! Aula N.1: a mulher nunca se engana é mal conduzida!

Angolanamente

Kizomba é uma dança completa, complexa e tão distinta como cada parceiro que te pede para dançar.  Aprendi a ter calma e não aceitar dançar com toda a gente, porque os meus passos são jovens e inseguros, logo convém ganhar confiança…  Gosto de dançar com o profissional que  me faz brilhar, com uma condução sem falhas,  e até eu que sou novata na coisa pareço ter nascido a dançar. Também posso dançar com o moço gostoso que  “me deixa nervosa” , mas tem sempre algo de novo para me ensinar, mesmo  que  pare a meio para me corrigir, desde que fale e  continue a dançar. Adoro o querido que se esforça tanto para me ensinar novos passos, que aposta em dar reforço positivo. Ele faz tanto esforço,  vejo-o a lutar contra os meus vícios, lá sorri e diz “vamos começar de novo”. Mas fico  bem longe do  Mr. Swag que,  simplesmente, não permite espaço entre nós, peço licença e ele diz “ Vê-se logo que é de Lisboa!”.

Mas o meu cabelo já é tissagem brasileira e tenho roupa que só uso em Angola.  Por isso vou-me deixar estar assim,  entre o  Semba e a passada até aprender a atarraxar em sociedade… quiçá a minha fala se molde ao ritmo nacional e aí sim eu seja uma Angolana de verdade.

 

Anúncios

Áudio 41- Chalo Correia cantando “angolanamente” em Lisboa

Desta vez o nosso convidado é Chalo Correia, músico angolano a viver em Lisboa há cerca de 25 anos. Chalo fala-nos da sua musicalidade angolana, que define como sendo música tradicional urbana.  Sempre quis ser música mas o seu trabalho de composição e de performance em palco  ganhou expressão em Portugal e, especialmente, no seu quartel-general, Lisboa. O primeiro álbum de Chalo Correia está a ser editado pelos Celeste/Mariposa e o lançamento está previsto para breve! Fiquem atentos!